quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Artesãos, mãos à obra!

 

08♦ Oito de Moedas

Mãos à obra! Há muito trabalho a fazer, mas este trabalho é um trabalho de arte. E desde já antecipo: você é o artista e a arte concomitantemente. Assim que terminei de escrever isto, olhei pela janela do quarto e havia um beija-flor planando entre as molduras dela, formando um belo quadro. Viu? Até a natureza está fazendo arte!

Não tenha preguiça de você. Também não se cobre tanto. Talvez você se suje, talvez sue bastante – sim, talvez feda; mas é de você que estamos falando. Não se critique tanto assim! Afinal, no final, você será uma obra de arte. Até me ligaram do Louvre outro dia... Parece que eles estão interessados em expor você lá. Hahahaha... Brincadeiras à parte, artiste-se! Perceba qual parte de você ou da sua vida precisa de maior atenção e mãos na massa! Refaça de onde começou a dar errado, ou comece do zero. Rascunhe novamente. Mude o projeto todo se for preciso, mas pinte o sete em você ou em sua vida e mande brasa!

Esse arcano fala sobre dedicação. Dedicação no sentido de devotamento, de entrega, de manifestação de amor, de apreço. Segundo Roberto Shinyashiki, “Dedicação é a capacidade de se entregar à realização de um objetivo”. E qual o melhor objetivo ao qual você pode se dedicar, senão você mesmo? Portanto esse oito te convida a se dedicar a si mesmo com propósito, qualidade, atenção; colocando mais qualidade no seu tempo, trazendo mais atenção ao seu mundo interno e aplicando mais propósito em suas ações. E essa é a dica d’Quinta pra hoje, a semana e a vida.

“Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele.”

Buda

sábado, 11 de setembro de 2021

Abre, entra, segue sua jornada e dá o seu melhor passo a cada passo.

 


Trio da Semana: Os Amantes — Rei de Moedas — Rainha de Espadas

VI — Os Amantes

O arcano das escolhas e decisões. O fato é que toda decisão ou escolha traz também uma renúncia. Opta-se por alguma coisa, soltando outra. A renúncia é, portanto, o outro lado dessa moeda. E, muitas vezes, quando uma decisão não traz de imediato algum prazer, então se opta em não se renunciar para viver qualquer outro prazer no agora, enquanto que com o amanhã depois eu lido. E, por exemplo, assim se escolhe o sofá ao exercício; o brigadeiro à dieta; a balada ao estudo.

Na busca por prazeres imediatos, fazem-se bobagens tremendas! Porém, como a dor de cabeça que essas trarão está lá no futuro, então se faz mesmo assim. E, quando as consequências dessas bobagens chegam, culpamo-nos ou culpamos o outro pelos atos tolos cometidos. Queremos o que vem com as escolhas e decisões, porém não as consequências delas. Queremos o corpo atlético, sendo sedentários; passar no concurso, sem estudar; casar e ter filhos, vivendo como solteiro e por aí vai. Queremos os bônus sem os ônus; buscando o prazer pelo prazer.

Esses momentos de prazer até podem trazer picos de felicidade, mas esta é muito mais do que esses. Felicidade é estar feliz, mesmo fora desses picos, em momentos mais neutros; é mais um estado de espírito e de paz interna. Ser feliz está ligado a ter um propósito e ser leal a este; a se envolver em atividades que dão a sensação de doação; em viver com uma sensação de ser útil de alguma forma. Assim uma vida baseada no prazer pelo prazer rouba a felicidade, enganando com essa ilusão de que felicidade é o conjunto de prazeres imediatos vividos.

E aqui falo do prazer vivenciado superficialmente, pois é possível vivê-lo como um caminho para algo maior e mais profundo – tornando assim o prazer como um meio e não como um fim. Hoje o prazer, que poderia ser um remédio; virou uma prisão, um vício, uma fuga com várias versões: consumo em excesso, poder desumano, drogas em excesso, riqueza desonesta, sexo pelo sexo e autogozo. O prazer como um fim em si mesmo, como finalidade de vida torna tudo passível de troca, uma mercadoria: pessoas, coisas, animais, sentimentos e etc. E bem vindo ao mundo líquido e seu hedonismo superficial!

O convite dessa semana é desfazer essa confusão. Prazer não é felicidade em si e não deve ser um fim, entretanto um meio para. Talvez suas decisões e escolhas travem, muitas vezes, porque esta confusão está ativada em você. Se sua vida estiver alinhada ao seu propósito e você estiver consciente dos seus valores e princípios; escolher e decidir por quais caminhos seguir será mais claro; porque tudo em você terá um por que e um para quê fazer. Abrir mão, renunciar fica mais leve – ou, pelo menos, ganha um sentido e, assim, é possível abrir mão de um prazer imediato se ele assim te faz se desviar do seu propósito de vida ou do momento.

Quando eu optei por me tornar vegetariano, foi extremamente difícil. E, se não houvesse um propósito e se eu não reforçasse os princípios desse meu novo hábito sempre, teria desistido desse caminho. E, nem vou entrar no mérito da questão; nem meu intuito é fazer campanha ou convencer alguém; é só mesmo para exemplificar como vivenciei esse arcano em minha vida. Bem, quanto à carne, eu era daquele que gostava da carne sangrando. Eu via um bife cru e minha boca enchia d’água. Eu chamava porquinhos de bacon vivos. Hoje, se estiver num dia mais sensível, vejo um bife e choro, sentindo uma dor profunda certas vezes ao ver um pedaço de carne.

Eu tive de colocar energia para que uma mudança desse nível acontecesse. Decidi parar de comer carne em 2018. Nesses 03 anos, acabei comendo algumas vezes. Via carne, ou sentia o cheiro e comia – prazer imediato. Aí depois tinha de lidar com diversas emoções por não ter tido a firmeza em renunciar àquele prazer. Enfim escolhas, que envolvem mudar um hábito, serão um processo. Às vezes longo, às vezes para o resto da vida – como um vício, por exemplo, e será preciso ter uma causa interna para reforçar essa escolha e sua renúncia.

Algumas escolhas se tornam grandes conquistas, pois envolvem coragem! Coragem? Sim, parafraseando Albert Schweitzer, prêmio Nobel da Paz em 1952: herói não é a pessoa que age, mas a pessoa que renuncia. Assim, renunciar envolve coragem, pois é um ato heroico. A palavra coragem deriva da palavra coração; sendo assim renunciar é um ato de coração. E, não renunciar, pode ser então um desrespeito a si mesmo. Não renunciar seria uma fuga de si, um afastamento, ou não seguir seu coração, agindo fora do seu propósito e dos seus princípios.

Então seja corajoso e renuncie ao que te afasta de si mesmo. Renunciar pode ser um ato de amor-próprio. Renuncie aos pensamentos. Renuncie às mágoas, aos ressentimentos, aos relacionamentos abusivos. Renuncie a ter sempre a razão, às suas certezas, aos exageros do ego. Escolha a felicidade e renuncie a prazeres superficiais. Renuncie às prisões e ilusões. Segundo o Fernando Pessoa: “A renúncia é a libertação. Não querer é poder”, portanto, o que é difícil de renunciar para você? Onde falta renúncia em sua vida? Qual liberdade você evita?

Você é autêntico, ou somente o que os outros esperam que você seja? Você se veste como gosta independente da moda? Você escolhe seus pensamentos, ou segue o do outro cegamente? Como você faz escolhas e toma decisões? Você seguiria seus anseios mesmo que isso signifique renunciar a sua família, cultura, religião e etc.? Para buscar nossa verdade, teremos que renunciar a todas as nossas ilusões. Sem as suas ilusões atuais, como você viveria a sua vida?

Só você caminha o seu caminho. E, para caminhá-lo, você terá que escolher caminhá-lo e renunciar a outros caminhos e possibilidades. Escolha, decida e solte suas renúncias! Não adianta levar o que não foi escolhido. Não adianta levar arrependimentos e dúvidas com você. Dentre todas as possíveis portas, escolheu qual a sua? Então a abra, entre, siga sua jornada e dê o seu melhor passo a cada passo. É o recado desses enamorados para você.

 

♦ Rei de Moedas + ♠ Rainha de Espadas

Estabilidade com falta de visão, ou seja, burro quando empaca; estagnação. Cuidado! Se for ficar onde está, fique por ser a melhor estratégia e não por preguiça, ou medo, ou comodismo, ou teimosia, birra, ou o que for. Fique não porque está apegado demais para sair. Fique porque é bom e pode ficar até melhor se você investir em melhorias e aprimoramento. Se for parar, pare para apreciar a paisagem, ou redefinir a rota, ou para repousar e recuperar o fôlego.

Esse casal real chega para ajudar a agir e renunciar, colocando o que está estagnado pra correr! Ele contribui com a capacidade e autoridade de ação, realização e retirada de obstáculos, com habilidades práticas, autoconfiança e coragem; enquanto ela com a visão, clareza, objetividade, independência, estratégia. Dá pra ficar parado sem decidir e escolher com um casal desses? Parafraseando o Pedro – qual? – o Dom: se for para o bem de minha vida e a felicidade geral de mim mesmo, diga ao povo que renuncio e escolho as minhas escolhas.

quarta-feira, 8 de setembro de 2021

Talvez o que você esteja vendo não seja necessariamente o que você está vendo...

 


10♠ Dez de Espadas

“(...) minha visão do mundo não pode ser final, porque não passa de uma interpretação.” Carlos Castaneda

Experimentamos e interpretamos o mundo através dos sentidos e do subconsciente. Cada um experimenta o mundo de uma forma única, pois cada pessoa é única. Mesmo gêmeos univitelinos, gerados pelos mesmos óvulo e espermatozoide, se desenvolvem de formas diferentes, tendo versões distintas do mundo em si. Coloque duas pessoas para assistir a uma mesma cena, imagem e/ou filme, que elas terão interpretações diferentes, pois interpretar é pessoal e subjetivo. E limitado, já que somos grãos de um universo. Não o enxergamos todo, só parte dele. Você o vê do seu ponto de vista e eu o vejo do meu. Certas vezes, vemos mundos completamente paradoxais; já em outras vezes nossas visões podem se assemelhar até.

Parece haver três mundos: o mundo em si, o meu e o seu. Assim como posso ter certeza sobre o mundo que interpreto e julgo? Se esta percepção do mundo é moldada através dos sentidos e da mente de cada um e suas individuais memórias, referências e experiências; como se pode ter certeza sobre o que se interpreta e se julga? Portanto, talvez o que você está vendo não seja necessariamente o que você está vendo. Talvez o que esteja sentindo não seja o que realmente está sentindo. Talvez o que esteja pensando não seja o que pensa realmente.

Do ventre materno até os 05, 07 anos de idade, mais ou menos, formamos essas lentes interpretativas da realidade. Uma pessoa pode ter mais de 60 anos e ainda estará usando esses filtros perceptivos construídos lá atrás, ou seja, você está no presente usando lentes do passado. Você pode já ser adulto, mas; caso não tenha consciência, atua como uma criança em sua vida, pois tem as lentes de uma e interpreta a vida como uma. Por isso, talvez o que você está vendo não seja necessariamente o que você está vendo, mas o que a sua criança vê, baseado no que você viveu. E, por isso, talvez esteja sofrendo por está atuando como uma criança em uma vida de adulto.

Uma das muitas vantagens que o processo de autoconhecimento pode trazer à pessoa é uma maior consciência sobre essa percepção do mundo, adicionando a ela outras possibilidades de percebê-lo. Possibilitando à pessoa assim ser o adulto que acolhe e caminha com essa criança do passado e a ensina a ressignificar seu olhar; a acender a luz do seu quarto, espantando os bichos-papões que a amedrontam; a lidar com seu dodói de novas maneiras.

Finalizando, esse dez vem lhe convidar a olhar suas desolações, angústias, pesares, infortúnios, desgostos, lamentos, aflições e afins; vendo se tudo isso é tudo isso mesmo – não é desmerecendo não – mas, ao acender a luz do quarto dessas dores, elas são tão aterrorizantes mesmo? A proporção está correta? É possível sair debaixo das cobertas e enfrentá-las? Seu adulto pode ajudar sua criança a lidar com tudo isso?

Falando nisso, você lida com seus problemas como adulto, ou como criança? Estenda um pouco mais essa investigação e perceba também se, por exemplo, a gestão de suas finanças é feita por um adulto ou por uma criança? E, nos seus relacionamentos; quem se relaciona, o adulto ou a criança? Quem vai todo dia trabalhar, o adulto ou a criança? Enfim, ajuste a iluminação interna e externa, buscando outras perspectivas e pontos de vista de suas dores, de si e do mundo. E esta é a dica d’Quinta pra hoje, a semana e a vida.

 

“Se a vida lhe oferecer caminhos difíceis, caminhos de escuridão; seja você a luz que guia seus próprios passos.”

Autoria desconhecida.

sábado, 4 de setembro de 2021

A prática aperfeiçoa o perfeito de cada agora

 

Trio da Semana: O Sol — Rainha de Bastões — Ás de Espadas

XIX — O Sol

Vitalidade, uma de suas definições é “o conjunto das funções vitais do corpo”. Se o corpo está sem vitalidade, de alguma forma ele está sendo negligenciado, ou o seu ritmo não vem sendo repeitado, entre outras coisas; o que pode fazer com que ele acabe vindo a adoecer. Só que, quando o corpo adoece, é porque a doença começou lá atrás. Como assim? Quando o visível – ou seja, o corpo – adoece; é porque o invisível – o mental, emocional e espiritual – já vem adoecido há tempo.

A doença, assim, é como uma luz que ilumina, mostrando que algo de errado não está certo. É como uma placa de pare e repense sua rota até aqui. Muitas doenças estão ligadas a causas psicossomáticas, hábitos, fatores sociais, estilo de vida e etc. Assim a doença, muito mais do que uma maldição, pode ser um sinal dos deuses de onde se vem errando, ou deixando de lado aspectos importantes e vitais da vida.

Quando se vai reformar uma casa é preciso de certos passos fundamentais, certo? Projeto, orçamento, materiais, autorizações, mão de obra, paciência, etc. Para se fazer um bolo, um pão também; é preciso de receita, assadeira, ingredientes. Quando uma empresa decide contratar alguém, ela também elenca as características fundamentais que a pessoa deve ter para ocupar o cargo oferecido por ela.

A vida também precisa de características, ingredientes vitais. O que você considera fundamental para se viver bem? Quais fundamentos uma vida deveria ter para você? Quais os fundamentos para um corpo físico saudável? E para uma mente? E para as emoções? E para um espírito? Pense e liste algumas. Pensou no que é imprescindível? Olhando para a sua vida, você encontra essas características, ingredientes nela? Ou está faltando o vital e fundamental a sua vida?

O convite desta semana é esse: resgate o vital; revendo se as bases da sua vitalidade estão firmes. Traga à luz tudo isso para construir o seu bem-estar e felicidade desde a base. E é para hoje, viu? Nada de: segunda-feira eu vejo. Nem de: quando der, eu vejo. Veja e faça o que precisa ser feito, pois antes feito que perfeito. O ideal da perfeição é bastante sedutor, mas acaba sendo uma desculpa para procrastinar os sonhos e mudanças; atrasando e adiando, assim, até o fundamental. Um bolo solado é melhor do que bolo nenhum, descendo mais redondo que Skol quando acompanhado de um cafezinho quente e recém-passado...

Dê atenção à sua vitalidade. Deixe a luz desse arcano nascer no horizonte de sua vida e iluminar seu mundo; mostrando o que está bom e o que precisa de aprimoramento. Deixe o sol iluminar as suas vegetações, para que elas possam fazer fotossíntese e se energizar adequadamente. Permita que a luz aqueça seus rios e mares, levando embora friezas que não fazem mais sentido carregar, reciclando suas águas. Abra as cortinas e permita-se revitalizar. Iluminar e amanhecer até.

 

♣ Rainha de Bastões + 01♠ Ás de Espadas

Essa rainha é toda, toda! Extremamente realizadora, pois sabe mediar muito bem seu mundo interno com o externo, não alimentando idealizações paralisantes. Ela se conhece; é intuitiva, íntegra, empreendedora, tendo energia e foco para agir.

Bem, essa carta junta com a d’o sol é recomendado ter cuidado para não ficar muito enérgico e temperamental. Olha o caminhão da zanga passando na sua rua... Portanto de olho nos nervos! E, com tanta energia no ar, cuidado também para não querer abraçar o mundo todo de uma vez fazendo milhões de coisas por segundo. Boa semana para começar. O quê? O que quiser, ou o que vinha enrolando para começar. Boa semana para tomar atitude. E fazer!

Bem, apesar d’o sol e dessa rainha praticamente gritarem: faça! A energia do sem ânimo pra vida pode estar rondando juntamente. O oposto das cartas anteriores? Confere produção? Confere. Assim atente-se a essa fraqueza de vontade, ou falta de disposição. É o lado sombra do ás, e esta energia também estará no ar, convidando ao não fazer, ou a deixar as coisas como estão, ou a esperar aquele momento perfeito, sabe?

Steve Rogers, o Capitão América, antes de se tornar este grande herói, era um jovem franzino, o qual sonhava em servir o exército americano, mas foi rejeitado nas vezes em que se alistou, por não ter o físico exigido para ser um soldado. Ele, contudo, acabou se tornando um Supersoldado, graças aos efeitos de um soro. Apesar de, antes deste soro, não ter o corpo de um super-herói, ele já tinha o espírito, a vontade, a força interna, o entusiasmo, os ideais. Ele já tinha um soldado, o futuro Capitão América já estava dentro dele.

E, caso esse desânimo, essa falta de vontade, esteja nos seus ares devido a não se achar pronto, ou estar esperando aquele momento ideal; a luz desse ás vem te lembrar do seguinte: você já tem o início do que quer ser, você já tem um Capitão América.  Talvez te falte o corpo ainda, ou outro atributo, mas já há um herói em ti; por isso não use o que falta como desculpa para ficar onde está, ou não mudar ou não iniciar seus projetos e sonhos; ou não se tornar, ou alcançar o que tanto deseja. Por isso nada de abraçar a energia do deixar par depois.

Talvez te falte o dinheiro, o local, o equipamento, a alma gêmea, ou o que seja, contudo o que você já pode fazer? E aqui entro com a minha própria experiência. Quanto tempo eu demorei em começar a atender com tarô, pois não tinha a toalha ideal ou o local perfeito? Anos. E, com as terapias: “Quando eu tiver o curso X, eu começo”. Meses. Quando veio a ideia do podcast, a mesma coisa: “Quando puder comprar um bom equipamento para gravação...”. Bem, aí foram somente dias, pois não caí nesse golpe do meu ego e comecei.

Até hoje não comprei nada! Comecei mesmo sem o equipamento dos sonhos. Faço as gravações de madrugada para evitar o barulho dos carros passando. Gravo com o celular, edito o áudio no notebook e pronto. Poderia ser melhor? Com certeza, mas antes feito que perfeito – desde que não feito de qualquer jeito. É feito de e com o coração – e está valendo pra mim! Só sei que até ao EUA e à Alemanha O Farol da roTa já chegou. Te mete! Como pode melhorar?

A tal perfeição não existe, pois se baseia em idealizações e fantasias. Na verdade, o único momento é o agora. Quando é o momento perfeito para começar? Agora. Faça o seu melhor possível agora e estará perfeito. E com a prática aperfeiçoa-se o perfeito de cada agora. Ademais vá fazendo como sabe fazer, pois quantas vezes na vida a ação não precedeu a motivação? Quem nunca começou uma faxina sem vontade e terminou superempolgado com ela? Ou foi para um encontro social por obrigação e acabou se divertindo e triste quando o mesmo acabou?

Quando comecei O Farol da roTa, a ideia era somente transformar os textos do blogue em áudios. Aí depois, a ideia de transformá-lo numa espécie de programa veio, e comecei a colocar introdução, vinheta, alguns bordões foram surgindo e por aí foi e ainda está sendo. Comecei como sabia e cada semana sei um pouco mais. Portanto, tire as ideias da cachola, os planos do papel, os sonhos da imaginação e ilumine o universo com o seu universo. Ilumine o mundo com seu coração. É o recado para você. E aí, vai começar o quê agora?

 

“Desde que eu me lembro, eu sempre quis fazer a coisa certa”.

Capitão América

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Acenda o farol!

 


03 Três de Bastões

Primeiro conselho de quinta do mês e quem é que se junta aos conselheiros arcanos de cada quinta? Ninguém mais, ninguém menos do que ele, o síndico: Tim Maia.

“Pneu furou/ Acenda o farol, acenda o farol/ Se alguém ligou/ Acenda o farol, acenda o farol/ Se alguém ligou, minha senhora/ Se alguém lhe amou, e foi-se embora”.

Não adianta ficar apagado, pois o arcano de hoje vem avisar que os navios estão chegando, portanto: acenda o farol! Acenda a luz, uma vela, um fósforo até!

Acenda para ver e ser visto, para alertar, para avisar, para dar sinal, para dar as boas vindas ou adeus; acenda. Acenda-se, iluminando o caminho até sua alma, até seu coração. Acenda o caminho até os seus sonhos. Até os seus amores. Acenda fogueiras e isqueiros até. Mesmo que sua chama esteja pequena e tímida, não desista, pois não é preciso grandes chamas para iniciar labaredas.

Essa música Tim Maia compôs trocando um pneu furado no caminho Rio-Niterói. Estava lá ele, com o macaco na mão; e, ao invés de ficar com a macaca, algo acendeu nele e uma grande música nasceu. E você, como tem lidado com os “pneus furados” da vida? O que suas dificuldades costumam acender em você? E o que elas costumam apagar?

Acenda o farol! Acenda o farol da sua voz para que seja ouvido. Acenda o farol da sua pele para que seja notado. Acenda o farol dos seus aromas para que deixe um rastro de suspiros. Acenda o farol do brilho dos seus olhos e ilumine visões.

Acenda o farol em casa, no trabalho, nos estudos, “na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de...”. Eita, misturei as músicas agora; mas o poeta é o mesmo!  Acenda o farol, onde você assim desejar. E “jogue suas mãos para o céu e agradeça se acaso tiver” um farol para acender.

Brincadeiras a parte, o que seria acender o farol para você? O que anda apagado? Acenda, acenda o farol das suas cores. Acenda o farol dos seus sentimentos e pensamentos. Afinal os navios estão aportando... Embarques e desembarques; cargas e descargas acontecendo... Não perca esta chance, acenda o farol.



quarta-feira, 1 de setembro de 2021

Onde fica o teu Kansas, Dorothy?



Energia do Mês – Setembro

Arcano Regente: IX — O Eremita

Setembro chegou, mês 09, com a energia regente d’O Eremita arcano IX também. Nove é um número com energia centrípeta, que faz se voltar para dentro, ao centro de si, que recomenda a se recolher antes de dar o próximo passo. Com o nove, fecha-se um ciclo, porém se revê e se avalia esse processo, o ciclo em si; aprendendo e colocando em prática esse aprendizado. Ou seja, antes de ir para o dez, estude o trajeto realizado do um até o nove; é o recado dessa carta. E, como dizem certos poetas:

 Ando devagar porque já tive pressa/ E levo esse sorriso/ Porque já chorei demais/ Hoje me sinto mais forte/ Mais feliz, quem sabe/ Só levo a certeza/ De que muito pouco sei/ Ou nada sei/ (...) Cada um de nós compõe a sua história/ Cada ser em si/ Carrega o dom de ser capaz/ E ser feliz”. Compositores: Almir Eduardo Melke Sater / Renato Teixeira De Oliveira; Letra de Tocando em frente© Tratore.


Esse número, esse arcano e esses poetas até vêm dizer que é preciso caminhar mais centrado e menos adormecido, automatizado; menos apressado, pois muitas vezes na rotina e correria da vida, você nem se junta antes de fazer seus afazeres. Quantas tarefas você faz desligado de si mesmo? Afinal o tempo urge, tempo é dinheiro, não é mesmo? Centre-se, reúna-se centripetamente e depois faça. Se levar mais tempo do que o esperado, paciência, afinal o tempo é seu, não é mesmo? Ou você vem abrindo mão do seu tempo?

Esse número, esse arcano e esses poetas até aprenderam que, ao caminhar, levar muito pouco é a melhor estratégia. Pois quem leva muito pouco, carrega o bastante e permite acrescentar mais de outros na estrada, porque se caminha estando aberto e vago a aprender, a agregar, a crescer e a trocar experiências, vivências, sorrisos e lágrimas, partidas e chegadas; sendo o agora cada passo.

Recorde de sua unicidade: você é único! Suas experiências de vida, todos os momentos os quais você já viveu, enfim, sua história também é. E ninguém pode lhe tirar isto. Só você carrega em si o dom de realizar a sua vida. Esse nove, esse arcano e esses poetas até vêm lhe lembrar disso; e propor que você se recorde desse dom caso tenha esquecido, ou o escondido, ou até guardado por medo, ou vergonha, ou descaso, ou coisa que o valha.

Eles pedem que você retome a vontade de procurar, descobrir esse dom. Ou de relembrá-lo, ou de resgatá-lo. Até porque é ele o que te fará encontrar a sua felicidade, a qual, como você, também é única. Assim, os poetas e esse eremita até lhe convidam a fazer essa jornada do nove, essa espiral para dentro; que, como a estrada de tijolos amarelos, pode te levar até Oz, ou de volta até ao que, em ti, é o teu Kansas. Se joga, Dorothy!

 

Terra — Plano Material — Como agir?

07 Sete de Taças



Sem ilusões! Menos romantizações e romantizamentos e romantismos. Esclarecendo em 1, 2, 3: Mês para ficar com os pés mais no chão, adotando uma postura menos sonhadora, romântica, ilusória e boba.

Numa cidadezinha do interior, um padre e um seminarista saíram a visitar alguns fieis da região, indo a suas casas. No caminho para uma dessas, de um fiel que morava mais afastado, na parte mais rural, passando por numa estradinha de terra, cercada de mato nas laterais, eles deram de cara com uma onça. O seminarista, mijado, cagado e assustado virou para o padre:

— Padre, e agora! Rezo? — O padre, já pegando o caminho de volta, grita:

— Corre! — O seminarista sem saber se corria ou rezava:

— Mas e a fé, padre? — E o padre, já com os calcanhares batendo na bunda, respondeu:

— Fé em Deus e pé na tábua, meu filho! — Bem, o mês de setembro é de fé em Deus, mas pé na tábua! Confie, mas corra também; ou tenha fé, mas faça sua parte, pois a loteria só virá pra quem rezar e apostar junto! Ouve mais esta aqui: ouvi falar por aí, que um missionário caminhando pela savana africana, se deparou com um leão. Ele ajoelhou e pediu que Deus o salvasse daquela fera. Ao abrir os olhos, ele viu que o leão também orava e ficou surpreso e feliz achando que estava salvo. Ledo engano do missionário; pois, ao ver aquele missionário se ajoelhar, o leão orou:

— Obrigado, Senhor, por este alimento que se apresenta a mim de tão bom grado. — Como eu falei antes: fé em Deus e pé na tábua! Ou não se entregue sem correr. Rsrs... Nem seja o tipo de pessoa que pula propositadamente sem paraquedas de um avião, porque tem fé de que Deus a salvará. Não confunda fé com presunção. Ser arrogante e soberbo pode até está na moda, mas pochete também; portanto, ligue a noção! Não dê a filosofias, religiões, pessoas, situações o poder de te emburrecer, iludir e te fazer de bobo. Cuidado com o que lhe rouba a lógica! Dito isto, o que te emburrece? O dinheiro? A política? A religião? Sua família? Seu cônjuge? Sua prole? Seu sócio? Seu trabalho? Afinal quem, ou o quê te emburrece, ilude?

Investigue isso, percebendo em que parte da sua vida você age como se não tivesse razão. Onde você vem sendo burro, bobo ou iludido? Esse sete te faz esse convite: o de se olhar com atenção, parando de se enganar, emburrecer, iludir em seu mundo prático (casa, trabalho, relações, finanças, estudos, academia, alimentação, etc.). Pare de ser sonso consigo mesmo e coloque as cartas na mesa. Coloque as idiotices, burrices e ilusões de sua vida rotineira em pratos limpos.

E, esclarecendo, vai que Mercúrio está retrogrado quando você ler isso aqui; eu estou dizendo que você pode ter comportamentos bobos, burros ou iludidos e não que você é bobo, burro ou iludido, ok? Só para deixar claro.

 

Ar — Plano Mental — Como pensar?

04 Quatro de Bastões



Sua mente é confusa. Ser confusa é próprio da natureza da mente. Até porque hoje a usamos para tudo e entenda isso: ela não serve para tudo! Ela é incrível, fantástica, vitaminada, mas não serve para tudo, entretanto se acreditou naquela máxima do penso, logo existo e já viu: mente! Mente! Mente! E mais mente!

Só que o ser existe antes do pensar. Pensar é uma das muitas faculdades que o ser pode se permitir a fazer, ou não em sua existência. Pense a existência até, porém principalmente viva a sua existência, pois quantas vezes você já deixou de viver por pensar demais? Só que pensando confusamente e acreditando que essa confusão era a vida. Que confuso!

Resumindo: não troque o viver pelo pensar! E esclarecendo: pensar não no sentido filosófico, em que o pensar está estruturado com uma composição lógica de construção, buscando-se o além das aparências e tal. Este é positivo e válido.

O pensar que deve ser deixado aqui é o pensar como uma atividade paranoica, com padrões obsessivos, compulsivos; em que se fica ruminando ideias e criando ilusões, mentiras, preocupações e etc. Um pensar que não desenvolve soluções, servindo apenas para aumentar medos, ansiedades, julgamentos, críticas, culpados e vítimas, problemas, dúvidas; numa eterna balada cerebral que só traz uma exaustiva e sofrida confusão.

A mente é confusa e está sobre-carregada e super-estimada. A vida não é confusa e, muitas vezes, está sub-estimada. A vida simplesmente é. Então viva simplesmente e coloque a mente em seu devido lugar. Permita se desligar dela vez ou outra. E celebre: você está vivo! Pensando ou não, você existe e vive. Dê a sua mente o espaço certo dela e não o espaço todo da sua vida. Não deixe a mente viver a sua vida no seu lugar. Esteja no lugar certo de si mesmo!

 

Água — Plano Emocional — Como sentir?

03 Três de Moedas



Trabalhando. Se suas emoções estão dando trabalho, então trabalhe isso. Aproveite que estará colocando a mente no lugar dela, assumindo seu posto essencial na sua vida e coloque suas emoções no devido lugar também. Beneficie-se, que o Sol está em Virgem e arrume-se!

Existo, logo me permito sentir. Pensamentos e emoções são parceiros de fuleragem! Portanto aproveite que estará atento ao pensar e atente-se ao sentir também. E como você pode ter um corpo emocional mais saudável? Observando seus comportamentos.

Preste atenção a como você reage ao mundo a sua volta. Perceba o que você pensa e sente a partir do que vê, ouve, come, toca, cheira, experimenta; observando a forma como absorve o mundo. Perceba seus pensamentos e sentimentos antes de apenas reagir a eles. Por exemplo, avisaram que seu chefe quer ver você no escritório dele agora, imediatamente. Quais pensamentos e sentimentos viriam numa situação como essa?  Demissão, bronca, aumento, promoção; qual história começa a acontecer dentro de você perante uma situação como essa? E por que essa história se desenrola?

Posturas assim de autoanálise podem trazer mais domínio de suas emoções e impulsos. Podem te ajudar a aceitar e dominar as emoções que considera como negativas. Na verdade, toda emoção é natural; só se precisa encontrar a melhor forma de canalizá-la e experiênciá-la. Ter essa visão dos combustíveis de seus comportamentos pode lhe ajudar a mudá-los para um padrão que lhe traga mais bem-estar e maturidade emocional. Ademais, caso decida procurar ajuda profissional para essa mudança, sua visão pode orientar a buscar o tipo de ajuda mais adequado a sua situação.

Desenvolver sua autoconfiança, acreditando mais em você, em suas qualidades e talentos. Cuidar da forma como expressa suas emoções e pensamentos. Desenvolver a empatia e a resiliência. Conhecer seus limites e defendê-los. Tudo isso também ajuda a trabalhar sua porção emocional e a mantê-la mais saudável. Trabalhe suas emoções através de seus comportamentos, adotando novos hábitos de se comportar com você e com o mundo – é a proposta desse três para você no nono mês do ano.

 

Fogo — Plano Espiritual/ Energético — Como se conectar?

Rei de Moedas



Estabilize suas raízes antes de voos mais altos. A semente, primeiro, se enraíza para depois arvorecer geral! E você sabia que, através das raízes, as árvores se comunicam, trocam nutrientes, protegem uma as outras e cuidam das árvores mais jovens, velhas e/ou doentes? Pois é, uma boa raiz é tudo, meu bem! Então se você quer ter mais energia, ser mais positivo e/ou mais espiritual, veja como estão suas raízes. Cuide de você primeiro – é o que lhe diz esse rei. Quando se está em um voo e, as máscaras de oxigênio surgem; sabe em quem você deve colocar primeiro essa máscara? Em você e depois você ajuda o outro. Portanto, coloque a máscara de oxigênio e respire. Centre-se, antes de dar o próximo passo.

Uma das qualidades, que a prática do surfe traz ao surfista, é a de ampliar a harmonia entre mente e corpo. Com o desenvolvimento de estratégias para se manter em pé numa prancha deslizando na água, o surfista aumenta seu senso de equilíbrio. E este senso pode se estender para outras áreas da vida além do surfe.

A postura corporal do surfista é bastante importante – pernas, barriga, braços; todos eles trabalham coordenados pela busca desse equilíbrio e devem estar alertas para agir num imprevisto. Entretanto também a mente precisa estar focada, atenta e ser capaz de pensar rápido e tomar decisões. Assim mente e corpo vão orquestrando uma sintonia e complementando-se.

A proposta desse rei é, então, como os surfistas, sintonize corpo e espírito. E, não, não é para fazer como o menininho do filme O sexto sentido e sair por aí falando com gente morta! A não ser que você seja médium, neste caso, sucesso! Brincadeiras a parte; seu corpo e espírito estão alinhados? Seu corpo e espírito buscam o mesmo da vida? Você vive apenas para o corpo? Ou apenas para o espírito? Ou nem pensa nessas coisas?

Outra característica que o surfe traz a quem o pratica é o sentimento de pertencimento e de conexão com a natureza e o universo. Na verdade, não se está separado de nada. Você é um universo dentro do universo. A matéria até traz essa ilusão de separação, entretanto esse rei lhe convida a si desiludir disso. Materialmente falando. E, como um surfista, que se torna o próprio oceano ao deslizar numa onda, torne-se o próprio universo ao deslizar nas ondas da sua vida.

E, se você pudesse viver plenamente seu corpo, seu espírito sem separações e ilusões e conflitos, como seria? E se corpo e espírito fossem distorções de uma mesma essência? Talvez nunca se responda a isso. Talvez o entendimento real do que verdadeiramente se é e se precisa nunca venha. Ou pelo menos não aqui neste plano! Mas buscar essa verdade mais profunda, já traz um pouco dela, nem que seja um cheirinho; o que acaba levando para mais perto dela de qualquer forma.

E assim se vai aprofundando as raízes da árvore que se é. Assim como a semente que se afunda atrás de água e nutrientes, assim o humano deveria fazer em busca da água e nutrientes fundamentais, buscando a essência soprada lá atrás no inicio dos Tempos.

E, ao estar mais afundado no solo fértil de si mesmo, você começará a se comunicar, trocar nutrientes, proteger e cuidar de outras árvores, porque já faz isso a si mesmo – já está de máscara, lembra? E, mesmo se tudo der errado, você saberá fazer como as árvores fazem, simplesmente se despirá das folhas, renovando-se e riscando o azul do céu com galhos nus.

 

Dica de leitura: A vida secreta das árvores, escrito pelo engenheiro florestal alemão Peter Wohlleben e editado no Brasil pela Sextante.


sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Desliga do borocoxô! Bota o macambúzio pra correr! Desgruda desse sorumbático!

 


Trio da Semana: O Papa – Rei de Bastões – Cinco de Moedas

V — O Papa

— “Papa, don’t preach I’m in trouble deep/ Papa, don’t preach, I’ve been losing sleep/ But I made up my mind, I’m keeping my baby, hm/ I’m gonna keep my baby, hm”.

— Para, não é nada disso! Mas parabéns pelo clássico; só que o papa é outro.

— O pop? O Papa não poupa ninguém...

— Criatura, solta o pop dos anos 1980, 1990 e canta certo pelo menos! — Esse arcano – O Papa – vem dizer que chegou o momento de construir pontes, criando fluxos e tráfegos e trânsitos. Momento de formar ligações e sentidos internos; de encontrar suas verdades mais profundas ou elevadas; de ser mais leal a si mesmo; de encontrar suas reais proporções, belezas e assim se arquitetar com mais harmonia.

Sabe esses variados fragmentos que você carrega em você? Hora de interligá-los. Hora de conectar suas ilhas aos seus continentes. Hora de trazer mais espiritualidade para a sua vida – falei espiritualidade e não religião, ok? Só pra ficar claro. Entretanto, se você vive sua espiritualidade dentro de uma religião, está tudo certo.

O medo de morrer pode impedir uma pessoa de viver plenamente a vida. O medo de sofrer pode impedir uma pessoa de se relacionar inteiramente. O medo de se conectar com o espiritual pode impedir uma pessoa de si autoconhecer profundamente. O medo parece proteger, mas na verdade ele só te deixa mais fragmentado, partido e isolado.

Esse arcano é um pontífice – do latim: pontifex, literalmente um construtor de pontes. Assim ele te convida a olhar para si, reparando onde você vem construindo muros ao invés de pontes. É possível derrubar esses muros? Sim, não, talvez? Não, por quê? O que falta ou é preciso? Por que esse muro foi construído afinal? Quando? Devido a quê, ou a quem? É possível construir novas pontes? É possível restaurar as que existem; refazer as que caíram?

Faça esse inventário patrimonial interno de suas pontes e muros. Melhore suas pontes, derrubando esses muros se possível. Não sendo admissível fazer nada disso – nem melhorar, nem derrubar – pelo menos, tenha ciência do que está escolhendo, e esteja pronto para as consequências que virão disso. E que fique claro aqui, que isso não é uma ameaça, apenas uma constatação. Se você optar por muros, colherá mais muros. Melhorando suas ligações, seus fluxos e diálogos internos; consequentemente, suas ligações, fluxos e diálogos externos também melhorarão e você terá infinitas pontes de possibilidades.

 Trecho da música Papa, don’t preach, composição de Brian Elliot e Madonna Ciccone.

 

Rei de Bastões + 05♦ Cinco de Moedas


Entusiasme-se! Em sua origem, a palavra entusiasmo significava inspiração ou possessão por alguma entidade. Dito isto, já chama um exorcista – caso as coisas deem errado por aí! Hahaha... Brincadeirinha, para de girar a cabeça! Até porque seria por uma entidade divina.

Esse rei então te convida a se encher do divino, do espírito, de se permitir arrebatar por uma energia mais elevada. Ele lhe propõe a agir com mais alegria, ânimo, arrebatamento, paixão; a colocar mais ardor em seus impulsos e ações. Desliga do borocoxô! Bota o macambúzio pra correr! Desgruda desse sorumbático! Solta esse ranço e esse astral do “tô de saco cheio” do mundo, de mim, da vida! Existe um rei em você pronto para reinar entusiasticamente, porém você precisa largar esse plebeu desanimado e fatalista que te habita. Anime-se! Ou reanime-se! Vai precisar de um desfibrilador? Chamo a SAMU?

Sabe, e aqui cabe outra ideia também. Aqui cabe até a sua raiva! Aqui cabe a você usar de uma forma boa, positiva sentimentos que você classifica como ruins. Por exemplo; a raiva, ao invés de usá-la para agredir alguém ou quebrar algo; é possível aproveitá-la como estímulo para alguma ação, como encorajamento para sair de alguma zona de conforto, para sair de uma indignação para alguma atitude; para, ao racionalizá-la, treinar a paciência e o perdão.

Como você sente raiva? Como você age quando está com raiva, ou irritado? Ou nervoso? Ou estressado? Ou ansioso? Ou com inveja? Ou com medo? Ou com qualquer outro sentimento o qual seja desafiador para você vivenciá-lo? Esses arcanos lhe sugerem trazer outro espírito, outro ânimo para a vivência desses sentimentos, emoções; trazendo um divino, iluminando tudo isso e muito mais com outra luz e consciência. Saia do mesmo de você. Solte suas mesmices!

O ano era 1991. Naquele ano, nas tradicionais vinhetas de final de ano da rede Globo, foi possível ver atores, jornalistas, humoristas, apresentadores dessa emissora fazendo coisas diferentes das quais se estava acostumado a vê-los fazer na telinha; como, por exemplo, a jornalista Fátima Bernardes dançando e sapateando. Ao final dessas performances, os artistas soltavam a seguinte frase: “Invente, tente, faça um 92 diferente”.

Bem, 30 anos depois, esses arcanos parafraseiam os globais te dizendo: invente, tente, faça um você diferente – e nem precisa esperar 2022, tá? Já adianta aí! Faça com a ansiedade algo diferente. Faça com a raiva algo diferente. Faça com o medo algo diferente. Invente-se, ou reinvente-se; e faça de você um você diferente. E aí, vai inventar o quê?




Artesãos, mãos à obra!

  08♦ Oito de Moedas Mãos à obra! Há muito trabalho a fazer, mas este trabalho é um trabalho de arte. E desde já antecipo: você é o artist...